Skip to content

Preto no branco: algodão transgênico X algodão convencional X algodão orgânico

27 de December de 2011

Algodão transgênico é verdadeiramente pior que algodão normal; algodão orgânico transgênico não foi avaliado pela Universidade da Geórgia (EUA).

LEIA ESTE POST NO NOVO MODA ÉTICA:

http://modaetica.com.br/?p=3264

Recentemente, saiu uma reportagem no Sign of the Times, falando sobre a questão do algodão transgênico, que este não tem vantagens sobre o não-transgênico. A pesquisa não considerou o algodão orgânico, infelizmente. (Valeu a dica, Genas!😉 )

Muitas pessoas compreendem o algodão como uma matéria-prima ecologicamente correta, biodegradável, sustentável. Não é!!!

Logo, não se deixe levar por um ideário de sustentabilidade ambiental disseminado por slogans de algumas empresas de moda, como a “Reserva Natural – 100% fibras naturais”, que tanto usa algodão convencional/normal em suas roupas – e só contribui é para uma série de malefícios aos trabalhadores e ao meio ambiente.

“Reserva Natural 100% fibras naturais”, verão 2012. Essa é mais uma marca que se apropria de um ideário de sustentabilidade ambiental (“reserva”, “natural”, a exclusividade de fibras da natureza) de modo equivocado. Os consumidores – por falta de conhecimento deles mesmos ou por direcionamento ideológico da prórpia marca – podem ser levados a considerar que se trata de uma ecobrand – o que não é. A empresa poderia se posicionar nesse segmento apenas substituindo o algodão convencional por algodão orgânico. E em todo caso, é de responsabilidade da empresa educar seus consumidores. As fibras são naturais, mas nem todas são sustentáveis – e inclusive uma (o algodão) faz um mal danado à saúde do produtor e à saúde do solo. Eu, pessoalmente, gosto do Estilo dos produtos da marca. Só tem que tirar esse algodão convencional/normal e substitui-lo pelo orgânico – daí dá pra marca ser coerente com a ética e estética da sustentabilidade.

Abaixo algumas infos que retirei de uma das aulas que dei, de Moda e Sustentabilidade (Design de Moda UFMG), falando sobre o algodão. O algodão não-orgânico, isto é, esse algodão normal que tanto usamos, é “from hell”, vide que o mesmo:

  • ocupa uma área de 3% do globo
  • consome 25% (uns falam em 23%) de todas as inseticidas consumidas no mundo e cerca de 10% de todas as pesticidas
  • em torno de 160 gramas de agrotóxicos são usados para confeccionar uma camiseta que possui 250 gramas de algodão
  • trabalham 40 milhões de pessoas nessas plantações, em péssimas condições, de extrema pobreza e insalubridade
  • todo ano morrem em torno de 20 mil de pessoas por causa dessas plantações de algodão
  • a maioria das plantações de algodão normal concentram-se em 22 países em desenvolvimento, como Brasil e Índia.

    Trabalhadores norte-americanos em plantação de algodão convencional, em 1888.

Concluindo, considerando as informações da pesquisa, nós vemos que:

  • não se pode dizer que o algodão orgânico transgênico seja melhor que o não transgênico – pois isso ainda não foi avaliado;
  • o algodão convencional transgênico não oferece vantagens em relação ao convencional não transgênico. Logo, não se justifica transgenia na cultura de algodão;
  • o algodão orgânico é melhor que qualquer algodão (não-orgânico/convencional seja transgêncio ou não), porque não utiliza agrotóxicos, em geral é produzido por cooperativas (principalmente no Nordeste do brasil), não causa morte de trabalhadores por manuseio de venenos. 

    “Parece, mas não é.” Algodão convencional, fibra natural sim, mas não sustentável ambientalmente. Ele já devia vir na cor preta, em simbólico luto pelos milhares de trabalhadores que falecem todos os anos cuidando de plantar e “beneficiar” a fibra, cada vez mais rápido, cada vez mais venenos (pesticidas e herbicidas).

No mais, considerando que as duas principais fibras têxteis comercializadas em nosso país são o algodão convencional e o poliéster – e que o Brasil é dos maiores produtores de têxteis de de artigos de moda do mundo – a coisa tá preta.

Resumindo a ópera:

algodão convencional = morte

branco = preto

Vestido de noiva em 100% algodão, 100% fibra natural. Alguns morrem para outros casarem e terem filhos. A natureza da indústria parece ter mesmo a mão invisível de Adam Smith (economista liberal e filósofo escocês iluminista), auto-regulando a economia e a população. A noiva em vestido de algodão é, para mim, o símbolo-mor da hipocrisia e ignorância na Moda.

 Outro engodo é o tal do tecido composto por PET reciclado e algodão. Mas esse fica pra outro post.

No comments yet

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: