Skip to content

Quatro maneiras de não costurar um produto de moda

28 de December de 2011

Costureiros: uma grande classe de trabalhadores ainda na informalidade.

LEIA ESTE POST NO NOVO MODA ÉTICA:

http://modaetica.com.br/?p=3312

A principal vantagem de uma roupa sem costura é justamente eliminar a etapa de confecção do produto de moda, a qual em geral se dá por meio de costureiras terceirizadas (a tal da “facção”), que cotumam trabalhar em períodos sazonais (pois a moda é sazonal, isto é, em função de um calendário regido principalmente por estações e datas comerciais). Ou seja, a costura de produtos no sistema da moda acaba gerando um dos maiores bolsões de desemprego temporário no país (que atinge fortemente as mulheres, pois trata-se do setor que mais emprega mão-de-obra feminina no país), subemprego, trabalho informal (sem carteira assinada – afinal, por que o empresário vai assinar carteira da costureira terceirizada se ela só trabalha de tempos em tempos?). Enquanto o sistema se der dessa forma, não podemos falar em desenvolvimento social nem em sustentabilidade social na moda.

Desenvolvimento social na moda começa com o empresário assinando a carteira de trabalho da costureira.

– Se o pessoal de marketing de moda ainda não entendeu, eu desenho o arranjo produtivo do sistema indicando os milhares de costureiros (sim, tem muito homem também, e costumam ser rapazes latino-americanos) mal empregados em nosso país.

Tive uma ideia! O empresário pode sugerir para que a costureira terceirizada seja registrada como Empreendedor Individual – e ele pode, então, começar a garantir alguns benefícios para ela, ele pagando isso para ela… É uma coisa a se pensar direito; foi só uma ideia que surgiu agora. Em outro post, prometo ensinar a fazer isso direitinho, que eu também vou me registrar como Empreendedor Individual na semana que vem.

Bem, mas por que eliminar a etapa de costura de um produto?

Resp.: facilitar a produção e reduzir os inputs e outputs no meio ambiente. Porque reduz tempo de produção (o que pode implicar em várias coisas legais, como aumento da produtividade), porque sem máquinas a conta da luz diminui (e assim a demanda por energia), etc. etc. etc. etc. etc………….

Dá para escrever um artigo científico sobre essa resposta curta e grossa, mas eu vou focar em mostrar aqui quatro maneiras básicas de se eliminar a costura em um produto de moda:

1. Com um retângulo de tecido, cortado no fio, enrolar o corpo; técnica de moulage, drapping, Madeleine Vionnet, etc.

No Brasil, isso não é muito comercial. A consumidora de moda brasileira valoriza praticidade e sensualidade – e uma roupa que tem que enrolar toda no corpo para tomar forma, vende pouco. A gente poderia comentar mais sobre isso: a forma pronta e fácil de ser usada é confortável, e as pessoas tendem a optar pelo conforto (modelagem plana, partes costuradas). Infelizmente, o conforto é das coisas que mais desejamos… digo infelizmente porque o conforto nos aliena em soluções já prontas, já pensadas, logo, tendemos a não pensar no que estamos fazendo, a não pensar no como estamos vestindo a roupa no próprio corpo, a reduzir a percepção de possibilidades de uso de uma única peça de roupa. Mas isso é outra história e é um prisma de percepções.

2. Transformar uma roupa em outra por meio de abotoamentos e amarrações da mesma; isso é fácil com camisas masculinas inseridas no contexto feminino (como vestido ou saia); ou com vestidos longos que se dobram no busto, configurando em diversos comprimentos; trabalhar com as mangas, etc.

3. Tecnologia! Roupas inteiras sendo produzidas sem costuras. O setores de underwear (calcinhas, sutiãs, cuecas, meias-calças, meias) e de beachwear destacam-se nessa proposta.

4. Tricô, crochê e técnicas de bordado em geral. Aliás, a rendeira e a bordadeira estão na mesma informalidade que a costureira…

Vestido com renda de bilro, criação de Walter Rodrigues, 2001. Aplicações de renda de bilro produzidas pelas rendeiras da Associação das Rendeiras de Morros da Mariana, Piauí, no projeto Moda e Artesanato. Veja mais rendas no blog Renata Batata.

Meu ponto de vista não é de acabar com o setor de costura na moda. Só estou ampliando a discussão de que costura é indispensável na moda brasileira, sim, mas por outro lado, produtos sem costura causam menor impacto ao meio ambiente. E se é para criar más condições de trabalho, é preferível que a máquina substitua o homem, e que o ser humano vá trabalhar em um setor mais respeitoso que o da moda.

O melhor dos mundos é:

  • costureiros, bordadeiros, rendeiros com carteira de trabalho assinada
  • produtos com menos costuras
No comments yet

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: