Skip to content

Dica do Ravi: pesquisa de moda sustentável em Milão

6 de April de 2012
Ao fundo, Bruno Lourenço e eu (com essa luz entortante de nariz). Na frente, Bruno Borsato e Priscila Apocalypse (esse sobrenome é pra poucos! Álvaro Apocalypse, famoso pintor mineiro, da época do Guignard, é parente dela).  Eu não tinha encontrado uma boa camiseta do The Wall antes, e aí a Pri me emprestou uma dela, do Pulse. No final das contas, Waters pra um lado, Gilmour pro outro, no final é tudo Pink Floyd.

Na frente, Bruno Borsato e Priscila Apocalypse (esse sobrenome é para poucos! Álvaro Apocalypse, famoso pintor mineiro, da época do Guignard, é parente dela). Ao fundo, Bruno Lourenço (tá lindo) e eu (com essa luz entortante de nariz).  Eu não tinha encontrado uma boa camiseta do The Wall antes, e aí a Pri me emprestou uma dela, do Pulse. No final das contas – Waters pra um lado, Gilmour pro outro – é tudo Pink Floyd. 

LEIA ESTE POST NO NOVO MODA ÉTICA:

http://modaetica.com.br/?p=4113

Domingo passado, enquanto eu curtia feliz o show do Roger Waters (“muito foda, meo”), a  minha irmã felicitava a família, os amigos, o Brasil, rs, embarcando para a Alemanha (ah… esses alemães outrora achando ruim a existência de milhões de judeus, construindo muros, etc… tsc, tsc… quero ver agora que eles conhecerem a Mônica!!!… tempos bons foram esses antes da chegada dela… – to brincando, mãe, é brincadeira!).

Mônica e eu, segurando o belo cartaz que eu lhe fiz. Aí está escrito "boa viagem", que é bem mais educado que "vai tarde". Aliás, Mônica merece uma legenda: ela está na graduação em Comunicação Social na UFMG, estudava alemão, daí começou a ir mais longe, fazer umas disciplinas de mestrado e doutorado em filosofia, lecionadas em alemão, prestou uma prova aqui, outra acolá, tirou 1ª lugar duas vezes, e taí os dois governos pagando pra ela estudar numa universidade que é um castelo localizada na Bavária.

Mônica e eu, segurando o belo cartaz que eu fiz para comemorar a paz na família, digo, sua triste partida. Aí está escrito “boa viagem”, que é bem mais educado que “vai tarde” (amor é só de mãe e de irmão). Aliás, Mônica merece uma legenda: ela está na graduação em Comunicação Social na UFMG, estuda alemão há anos, daí começou a ir mais longe, fazer umas disciplinas de mestrado e doutorado em Filosofia, lecionadas em alemão (atividade altamente recreativa e prazerosa), prestou uma prova aqui, outra acolá, tirou 1ª lugar duas vezes, e taí os dois governos pagando pra ela estudar numa universidade que é um castelo localizado na Bavária. No momento desta foto, nós estávamos brincando de xingar uma a outra (ok, nem sempre isso termina bem).

Bem, domingo paulistano era só alegria e vida boa… 

– É, mas alguém tinha que trabalhar! 

E esse alguém foi o Ravi!!

Diretamente da terra dos genuínos gelattos e pizzas, fez uma super cobertura de moda e sustentabilidade aqui para o blog. Muito obrigada, novamente!

Como os comentários dele são sensacionais e como estamos em clima de Páscoa, muito chocolate, paz e amor, “empenhados em que o Cristo ressuscite como forma de agir” (já diria o contestador poeta e escritor americano D. H. Lawrence), resolvi reproduzir na íntegra para termos um feriado alto astral.

“Fui numa feira sobre sustentabilidade em Milão domingo. Nada de surpreendente, mas foi muito bom pra ver o que tem rolado por aqui e como a ideia tem circulado. Essa tem uma relação com o Brasil (SESI) também, não entendi bem como. Dá uma olhada: http://falacosagiusta.terre.it/sezione04/60/

Pois é, Srta. LSD [deixa eu explicar isso, se não pega mal: é tudo culpa da Dona Ângela, que nomeou a bebê de Luciana dos Santos Duarte, L.S.D.]…. Dei uma de repórter Eticat [tive um blog chamado eticat, em que a ética era o “pulo do gato” para a moda; o Ravi aí tá me zombando]! Heheh!! Fiquei bastante tempo na parte de moda (mais do que na de comida, diga-se de passagem) olhando umas coisas pra passar pra vc. Anexei ao email algumas poucas fotos que tirei do setor de moda também. Bastante coisa com um “visual meio Osklen”, bastante referência (explícita ou não) indiana, árabe, marroquina… Uns trabalhos com câmara de ar [é a moda falando: comprem carros, poluam o ar e mandem os pneus pra gente reciclar em novos produtos que não contestam os velhos hábitos do consumidor], bolsas de banners usados [isso já está fora de moda, avisem as artesãs!], roupas de cânhamo [recado aqui pra moçada que fica fumando maconha perto de eco-careta que nem eu: o cânhamo é uma matéria-prima excelente, origina um dos melhores tecidos ecológicos para a moda, tem fibras mais longas e 5x mais resistentes que o algodão, e jamais JAMAIS deveria ser incinerado ao bel prazer de lesar os neurônios; é muito desperdício ficar se drogando], algodão orgânico, calçados vegan [é vegan, ok, legal, mas o poliuretano que simula um couro bovino vem do petróleo]… também tinham uns poucos stands mais toscos, daqueles que a artesã não deixa vc tirar foto das coisas… apego, medo, sei lá. Ah! As, sempre mal sucedidas, roupas de peças que vc pode combinar e usar de mil e uma maneiras também estavam presentes!!! A mulher me apresentou como se fosse uma ideia de gênio, uma obra de design. Nada, nada impressionante [sem estresse, Ravi, foi confirmada que essa é a oitava praga do Egito e em breve será anexada na Bíblia].

Como eu tenho carinho pelo seu “projetinho do blog cor de rosa com o gatinho cinza na frente da cidade” (“o pulo do gato”, era isso?) [que pouco caso com o bloguinho!! Agora sim você tá falando bonito que nem um ex-namorado que se preze!! humpf! Tá ok, não nego o início “rudimentar”] e porque eu sou um cara muito legal [falta modéstia, mas sobra verdade, ces’t la vie…], fiz um apanhado das marcas que eu achei mais relevantes na feira e estou te mandando os endereços. Como eu te disse, nada de mais… mesmo. Mas, com certeza, serve de referência.
Beijos, até logo e aí vão!”
——
Primeiramente, as fotos que o Ravi tirou da feira:
Feira de produtos sustentáveis em Milão.

Feira de produtos sustentáveis em Milão. Vista do setor de moda. As imagens estão em ótima resolução; clique nelas para ampliar.

Pela estrada afora...

Pela estrada afora…

Esse stand parece ter sido feito de pallete descartado ou de madeira de demolição. Confirma, produção?

Esse stand parece ter sido feito de pallete descartado ou de madeira de demolição; seja como for, houve um novo arranjo formal.

"Barbie"

“Barbie girl in a sustainable world”

Vegan é um termo que tem sido apropriado de forma mercadológica/comunicacional para a moda. Qualquer coisa que não use couro animal (e não promova malefícios aos animais) pode usar o termo - infelizmente, porque essa popularidade (para não dizer prostituição) do termo, o empobrece. Tipo o que acontece com as palavras "sustentabilidade" e "design": qualquer coisa pode ser sustentável e de design, conforme o argumento a favor.

Vegan é um termo que tem sido apropriado de forma mercadológica/comunicacional para a moda. Qualquer coisa que não use couro animal (e não promova malefícios aos animais) pode usar o termo – infelizmente, porque essa popularidade (para não dizer prostituição) do termo, o empobrece. Tipo o que acontece com as palavras “sustentabilidade” e “design”: qualquer coisa pode ser sustentável e de design, conforme o argumento a favor.

O que esse calçado, sem acolchoamento, com solado de borracha crua rígida e modelagem padrão, tem de "flex", não tem como saber. Em todo caso, esse é um modelo confortável e atemporal (apesar desse acabamento tosco categorizando o produto na estética eco-ugly, em que se procura expor visualmente atributos/características ecológicas dos produtos).

O que esse calçado, sem acolchoamento, com solado de borracha crua rígida e modelagem padrão, tem de “flex”, não tem como saber. Em todo caso, esse é um modelo confortável e atemporal (apesar desse acabamento tosco categorizando o produto na estética eco-ugly, em que se procura expor visualmente atributos/características ecológicas dos produtos).

O contestador Chaplin mostrando que entende de moda, produção e consumo. Boa sacada: pelo menos não estão explorando pela n-ésima vez a imagem do Gandhi para comunicar algum "produto para o bem da sociedade". A apropriação das imagens desses personagens/personas/pessoas merece um post a parte.

O contestador Chaplin mostrando que entende de moda, produção e consumo. Boa sacada: pelo menos não estão explorando pela n-ésima vez a imagem do Gandhi para comunicar algum “produto para o bem da sociedade”. A apropriação das imagens desses personagens/personas/pessoas merece um post a parte.

I have a dream (parafraseando Luther King): que o tecido de cânhamo se torne popular no Brasil, que o símbolo da cannabis sativa não seja sinônimo de droga, mas de tecido resistente, que esse assunto seja levado a sério.

I have a dream (parafraseando Luther King): que o tecido de cânhamo se torne popular no Brasil, que o símbolo da cannabis sativa não seja sinônimo de droga, mas de tecido resistente, que esse assunto seja levado a sério, sem um sorrisinho no canto da boca dos maconheiros de ocasião. Repito: é desperdício incinerar – fumando! – esse excelente material. E é lamentável que esse material na moda, o tecido de cânhamo, sofra preconceito por parte de lojistas (e sociedade conservadora, alienada, etc) pouco esclarecidos. O símbolo da cannabis, ao ser relacionado a um produto de moda, deve estar desvinculado de nosso preconceito e de nossa compreensão de droga.

O que era essa árvore de mentirinha?

Simpática macieira artesanal… Ham? Construíram de madeira uma árvore de mentirinha? Uma árvore “novinha em folha” feita de madeira de uma árvore morta?! Situada em uma feira de sustentabilidade?! Ah, esses italianos… Precisamos ter uma conversa séria com eles! 

——
Agora sim, as marcas/empresas que ele anotou. Valem o clique!

——-

E só pra concluir a prosa:

Luciana:

– Você está muito chique!!! “Feira em Milão no domingo” ahahaha

Ravi:

– Ah… pior que nem vejo assim não, Lu… só soa uma coisa mais bufante do que é… não muda nada de uma “ida à SP”. É a velha história da madame chegando falando que foi na feira de móveis de Milão… Bobagem. Só os lugares que mudam de nome, vc sabe que muita coisa já é bem igualem alguns pontos e que essas referências não tem tanto sentido hoje em dia…

– A única coisa que vi de diferença aqui, Lu, é que essas ideias caminham com mais fluidez… Como a circulação da informação é mais eficiente e essas ideias já estão por aí há mais tempo, parece que se apresentam um pouco mais estruturadas… Parece que a base já foi construída. Aí [aqui no Brasil], a impressão que eu tenho é que o pessoal pena pra fazer vingar alguma consolidação inicial…

Muito bem colocado. Apesar de o Brasil ainda estar vivenciando muitos aspectos de design de produto e design de moda referentes aos anos 70 europeu (quando vigorava o “green design”, em que apenas o material era ecológico – uma produção limpa ainda estava longe de acontecer, sem mencionar aspectos sociais…), a compreensão sobre a estética da sustentabilidade parece ser equivalente, ou ao menos bastante aproximada. Zeitgeist (= espírito dos tempos)? Globalização (taí outra palavra sem força de expressão)? Moda, meramente? Industrianato (= artesanato industrializado)?

Olhando essas imagens, esses links, não posso deixar de concordar, que parece ter sido como “dar um rolé” em Sampa.

Tocava Comfortably Numb. E então Roger Waters vira-se de costas e bate no muro. Inicia-se uma projeção que simula a quebra do muro e início de um novo mundo. (Depois o muro é de fato quebrado). O que importa? As fronteiras (os muros limítrofes) são cada vez mais tênues, dado o poder da comunicação.

Tocava Comfortably Numb no estádio do Morumbi. E então Roger Waters vira-se de costas e bate no muro. Inicia-se uma projeção que simula a quebra do muro e início de um novo mundo. (Depois o muro é de fato quebrado; momento que eu mais aguardava). O que importa? As fronteiras (os muros limítrofes) são cada vez mais tênues, dado o poder da comunicação. Como estamos comunicando a ética da sustentabilidade na estética dos produtos? Vamos lá, designers!, nós podemos fazer isso melhor, seja em Milão ou em São Paulo!😉

No comments yet

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: